sexta-feira, 24 de junho de 2011

MPF: policiais são condenados por tráfico de drogas e corrupção.

Agentes da PRF liberaram carro com drogas de quadrilha de Vitória(ES)  

Após denúncia do Ministério Público Federal (MPF) em Campos (RJ), a Justiça condenou dois policiais rodoviários federais, Charles Câncio de Pontes e Fábio Gomes Ferreira, a prisão por 13 e 10 anos, respectivamente, e multa de R$ 33 mil por receberem propina de traficantes de drogas para liberar um veículo carregado com maconha na BR-101, em Resende. Os policiais, condenados por tráfico de drogas e corrupção passiva, também perderam seus cargos. Seis integrantes da quadrilha receberam penas entre 10 e 14 anos de prisão e uma multa total de R$ 177 mil por tráfico de drogas, associação com o tráfico e corrupção ativa. A decisão foi da 2ª Vara Federal de Campos.

A denúncia foi oferecida pelo procurador da República Eduardo Santos de Oliveira em junho de 2010, um mês após o flagrante de corrupção. Dois membros da quadrilha, cuja base era Vitória (ES), transportavam maconha de um fornecedor, conhecido como “Alemão”, em Medianeira (PR), junto à fronteira com o Paraguai. Eles obedeciam outros dois outros integrantes da quadrilha que estavam presos. Em Resende, foram abordados pela PRF e os policiais denunciados, após atestarem a presença da droga, negociaram com os traficantes para liberar o carro no dia seguinte,em Campos,  recebendo R$ 15 mil. Antes, porém, os policiais ofereceram uma carona aos bandidos até o Rio de Janeiro, onde eles embarcaram num voo para Vitória para buscar o carro no dia seguinte.

O serviço de inteligência da Polícia Federal no Espírito Santo desvendou logo o caso e flagrou a entrega do veículo em um estacionamento num shopping de Campos, na presença dos dois policiais e dois integrantes da quadrilha. Os traficantes alegaram não saber que transportavam material ilícito, enquanto os policiais argumentaram que pretendiam descobrir um depósito de mercadorias desviadas do susposto chefe da quadrilha.


Assessoria de Comunicação Social
Procuradoria da República no Rio de Janeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário