quinta-feira, 28 de julho de 2011

Ministério Publico está de olho em prefeitos do Noroeste Fluminense.


Divulgação

Depois de inúmeras denuncias e investigação do Ministério Publico, os prefeitos de Natividade e Varre-Sai, Marco Antonio Toledo, Taninho e Everardo Ferreira, estão sob o olhar do MP e aguçando seus opositores.
Passados dois anos de mandato, o prefeito de Natividade “Taninho” (PSDB) vem sendo investigado por uma série de gastos, ainda não explicados.

O Ministério Público do Estado entrou com uma ação civil pública contra o prefeito e a empresa MCR Construções, exigindo o imediato bloqueio dos bens, concedida por liminar no dia 31/05, tornando indisponíveis os bens dos réus no limite de R$ 221 mil reais.

Na ultima sexta-feira 22/07, o juiz Marco Antonio Novaes de Abreu, solicitou ainda o extrato bancário do primeiro réu, nos últimos noventa dias e informações sobre todos os veículos cadastrados até a presente data ao DETRAN. Baseado nas denúncias, o Juiz entendeu que “os fatos noticiados são graves e indicadores de procedimento incompatível com os princípios de moralidade pública e ideais republicanos”, diz o magistrado num trecho da decisão”.

Os detalhes podem ser conferidos em consulta ao processo número 000865-30.2011.8.19.0035 de Ação Civil Pública por ato de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público do estado do Rio de Janeiro.

Situação semelhante vive o prefeito Everardo Ferreira (PP), de Varre-Sai, onde o ministério Público Estadual opinou favorável ao pedido de bloqueio dos seus bens. Ele é acusado de pagar por serviços não realizados, e está com os bens indisponíveis até o limite de R$ 52 mil. A empresa beneficiada seria a JC Tinoco Reis ME. Processo No 0000791-73.2011.8.19.0035, movido pelo requerente Manoel Reis Junior por Ação Popular Lei 4717/65.

A situação de Everardo começou a se complicar após várias denúncias formuladas pelo jornal “ Edição Varre-Sai”, de propriedade de Manoel Reis. Para ele, a impunidade não pode continuar encorajando os que se valem de vantagens e da coisa pública para promoção pessoal. Como em toda cidade interiorana, a prefeitura na grande maioria dos casos é o maior empregador e se aproveita dessa situação para coagir, constranger e perseguir a funcionários e munícipes. Disse.

Em Natividade e Varre-Sai, as referidas decisões judiciais, são motivadas por denúncias ao MP e investigação do TCE - Tribunal de Contas do Estado. Segundo informações, outras ações tramitando em segredo de Justiça


fonte: Rádio Itaperuna 1410 AM

Nenhum comentário:

Postar um comentário