terça-feira, 10 de janeiro de 2012




PMERJ "Um Barril de Pólvora"
Por Rone Pereira.

Batalhão de Campos causa insatisfação, e desmotiva policiais militares. Com a mudança da escala.

Policiais militares do 8º BPM estão postando na rede, em vários blogs, comentários de suas insatisfações com o atual comando do batalhão.

Essa turbulência começou no mês de Dezembro do ano passado, quando os policiais estavam sendo convidados para a festa de confraternização do batalhão, e um comunicado avisava aos militares que os mesmos deveriam entregar na companhia, os nomes dos convidados que os mesmos levariam a festa.

No comunicado foi avisado que os militares que fossem a festa de confraternização, levando convidados e que os nomes não estivessem na lista e convidados que o nome foi entregue na companhia e que não comparecesse, iriam responder um DRD, uma espécie de representação e que de acordo com a justificativa do militar, pode acarretar punição.

E o estopim veio explodir na virada do ano, com o anúncio da mudança da escala dos policiais, o que gerou a paralisação das viaturas e dos policiais na hora da troca do plantão do dia 01/01/2012, das 07 e 08hs da manhã, o que acarretou um problema sem viaturas e policiais nas ruas da cidade até as 12 hs do mesmo dia.

Depois destes episódios, os policiais encorajaram e decidiram mobilizar os colegas para se fazer uma greve e paralisar os serviços na segurança da cidade.

O que está acontecendo agora, que alguns policiais, estão enviando emails para diversos blogs, denunciando diversas irregularidades que vem acontecendo no 8º BPM.

Torturas de recrutas a abuso de autoridade são algumas das denúncias feitas pelos policiais, que tomou uma proporção exorbitante, que mobiliza todo efetivo da polícia do interior e da capital, que preparam uma greve geral que pode ser desencadeada a qualquer momento, o que poderá causar um grande caos no estado do Rio de Janeiro.

A mobilização já conta com apoio de Policiais Militares, Civis, Agentes Penitenciários e Bombeiros, imaginem as ruas do estado sem policiamento? Imaginem os presídios sem seguranças? Imaginem todo o estado do Rio de Janeiro parado com essa greve, que vai deixar a população desprotegida, e o pior! A mercê dos Bandidos.

Ainda da tempo de impedir que o caos tome conta das ruas do Rio de Janeiro. As autoridades devem pensar rápido numa forma de atender as reivindicações dos militares e fazer a paz reinar em todo estado.

O espaço está aberto para as autoridades se manifestarem, as mesmas podem mandar email para: ronepg@ig.com.br, que serão lidos e divulgados.

A ASMENNF (Associação dos Servidores Militares do Norte Noroeste Fluminense), após ter recebido essas informações, estará acionando o departamento jurídico, para que tome providências com relação a estes casos, que já toma conta da esfera federal, sendo repercutido em vários estados da federação.

E lutando sempre pelos direitos de defender os bons policiais não seria diferente nesta hora, vamos deixar o nosso jurídico à disposição dos militares que se sentirem injustiçados com a situação.

Apó recebermos um parecer do nosso jurídico, vamos nos pronunciar sobre esse episódio, disse Gilson de Sousa.

2 comentários:

  1. Rua Joaquim Silva, 98-A, Centro -Rio de Janeiro - RJ CEP: 20241-110
    atenção policiais militares,esse é o endereço da reunião,que acontecerá no dia 18 de janeiro a partir das 19hs

    ResponderExcluir
  2. Governo já extremece com as nossas postagens nas REDES SOCIAIS




    Até quando os governantes do Rio de Janeiro vão continuar a FAZER DE CONTA que as coisas por aqui estão “PACIFICADAS”?





    Pagando o PIOR salário do Brasil a duas polícias (Civil e Militar) que atuam no PIOR CENÁRIO de combate ao crime do país. Enchendo os cofres públicos com recursos arrecadados EM NOME DA SEGURANÇA de das CALAMIDADES PÚBLICAS, sem fazer melhorias no pagamento dos RECURSOS HUMANOS, daqui a pouco VAI FICAR DIFÍCIL segurar as LEGÍTIMAS REIVINDICAÇÕES das categorias.




    Isso sem falar nos BILHÕES DE REAIS que estão entrando no Estado por conta da Rio +20, Copa do Mundo e Olimpíadas.

    ResponderExcluir