quinta-feira, 24 de maio de 2012

Escutas da PF flagram negociação de droga vinda do Mato Grosso do Sul,

Arquivo
O portal iG teve acesso ao processo que traz trechos de interceptações telefônicas que mostram negociações de presos do sistema penitenciário do Rio de Janeiro, que negociavam diretamente, via telefones celulares, com um suposto traficante paraguaio o envio de cocaína e maconha para o Brasil.

Escutas telefônicas feitas pela PF (Polícia Federal) revelaram que presos do sistema penitenciário do Rio de Janeiro negociavam diretamente, via telefones celulares, com um suposto traficante paraguaio o envio de cocaína e maconha para o Brasil, inclusive de um carregamento para Campos.

As investigações foram feitas entre 2009 e 2010 e culminaram, em janeiro deste ano, com a condenação de seis acusados de participar do esquema pela Justiça Federal pelos crimes de tráfico internacional de drogas e associação para o tráfico. 

O paraguaio que falaria nas escutas seria, segundo a Justiça Federal, Juan Arnaldo Céspedes Amarilla, o Nando, que viveria entre Coronel Sapucaia (MS) e Capitán Bado (Paraguai). 

O suspeito é o mesmo que, em 2009, teria sido o pivô da prisão de dois agentes federais brasileiros no Paraguai.

Na época, os policiais teriam invadido o país vizinho em perseguição a Juan, que teria pedido ajuda à polícia local e a dupla acabou indevidamente presa. 

Foi paga uma fiança e os agentes liberados. O paraguaio continua solto com um mandado de prisão pendente. Ele não foi condenado porque houve desmembramento do processo.

Em interceptações feitas entre os dias 7 e 8 de março de 2010, um preso, cujo nome não é citado na sentença, fala com Nando sobre um carregamento de drogas que saiu da cidade de Caarapó (MS) com destino a Campos dos Goytacazes.

Nas conversas, os suspeitos usam códigos para falar das drogas. Ao ser perguntado sobre quanto viria de drogas, o paraguaio afirma que seriam 12 de B e 53 do verde. 

De acordo com a Justiça, B significaria cocaína e verde, maconha. Os números correspondem a quantidade de quilos de cada entorpecente.
Confira os principais trechos das conversas entre eles sobre a chegada do carregamento:
 

O carregamento citado na conversa foi interceptado pela PF no dia 8 de março de 2010. Na ocasião, foi apreendida a quantidade quase exata mencionada pelos suspeitos durante a conversa (12 kg de cocaína e cerca de 50 kg de maconha). Quatro pessoas foram presas na época. Pouco depois do fato, a PF flagrou o mesmo preso comentando sobre a apreensão com o paraguaio. 

Acompanhe os trechos:
 

Encomenda antes do Carnaval

No dia 31 de janeiro de 2010, a polícia já havia interceptado uma conversa de um preso (cujo nome também não foi divulgado na sentença) e o mesmo paraguaio em que eles falam sobre o envio de 25 kg de cocaína e de 100 kg de produtos químicos para serem misturadas na droga.

Novamente, os bandidos falaram em códigos. Eles se referem a B como sendo cocaína e usam a palavra bolo para os dois (a cocaína e as substâncias para a mistura).

O paraguaio também afirmou que faria duas viagens para a entrega do material acertado. O preso questiona se as drogas chegariam antes do Carnaval. 

Veja os principais trechos da conversa:
 


Portal IG e Ururau

Nenhum comentário:

Postar um comentário